terça-feira, novembro 08, 2011

Findá-lo-ei.

  
 Hoje é o último dia do mês. O sol abrasante ainda lambe os meus cabelos fio a fio, clareando-os ainda mais, vestindo-os de ouro. Eu posso notar com extrema facilidade o peso nos passos desse dia. Cambaleante é o andar de quem se recusa a caminhar... E infeliz é a vida de quem se recusa a viver. O astro rei, ator majestoso, aquece com seus raios amarelos o dia quase eterno, exibindo ufano um falso riso. Demora-se no céu, enfeita-o com louvor, como se sadicamente prolongasse a rotação da terra e estorvasse a noite – dizendo não ao fim, contrariando o mês que existiu por obrigação. 

 O tapete está adiante, uma estrada longa composta por segundos, minutos e horas. Mas o Outubro teima com afinco e insiste em descansar em cima do muro. Não se vai, mas também não permanece – morre aos poucos, agoniza. Ainda que o futuro me chame, sinto o cálido toque em minhas mãos procedente de um mês suado, calado, exigente, quase passado... Tão presunçoso, recusara ser presente, almejara não viver e perecera ainda mais; e os trinta dias duraram como se fossem noventa. 

  Imitando a ínfima linha do horizonte, a que divide o céu e o mar, a terra e o ar, o muro obsta o início do fim; o término de um dia e o início de outro. E enquanto o manto azul marinho estende-se, salpicado de brilhantes, o mês tão sofrido comemora o seu findar como se Novembro fosse o seu renascer límpido e invejável; o único digno de preencher setecentos e vinte horas de um calendário tão corrido. Assim parte o Outubro, o que não solicitou vida destilara a sua, gotejando os segundos até finalizar-se.

  Bem, faltam-me palavras para vos pedir desculpas, porém pretendo recuperar todo o tempo perdido no qual fiquei distante, presenteá-los com bons textos e igualmente vos visitar com mais freqüência. Fiquem com Deus, e muito obrigada por serem pacientes e não me abandonarem. Em relação a esse texto, gostei dele embora não tenha ficado como eu almejava. Enfim, grande beijo a todos.                                                                                                                 

5 comentários:

Marcos de Sousa disse...

O texto compensou o tempo ausente. Lindo, lindo e lindo. Simplesmente maravilhoso. Digno de uma escritora como você.

E que outubro se vá,de uma vez por todas.

Beijos

Maiara disse...

Que saudade dessas palavras de encanto, que descrevem tão bem tudo o que envolve sua órbita, como o tempo que passa do seu jeito; como o mês que carrega suas lembranças.
Lindo, Carol, lindo e com gosto de restinho de saudade.

Um beijo.

Alexandre Fernandes disse...

É um texto que declama amor puro. Tem luz do começo ao fim. Fim que dá lugar a um recomeço. Ciclo que finda e inicia outro. Horizontes sempre são muito lindos.

Que volta triunfante.

Tinha saudades...

Beijos!

Yohana Sanfer disse...

Só de voltar aqui e encontrar essa lindeza de texto, compensa todo o tempo ausente!rs...parabens moça!

E aproveito pra avisar: tem promoção no meu blog pra todos que seguem e me dedicam carinho neste 1 ano! =)

Alexandre Lucio Fernandes disse...

Saudade de ti...

Beijo!