terça-feira, maio 25, 2010

Traduzindo.


   Permaneci só. Não por opção minha, mas por sorte do destino, ou deveria dizer azar, não sei bem.
E todas as vezes que tentei ver uma luz no fim do túnel, juro que me esforcei, me enganei seriamente.
E quando digo seriamente não estou exagerando.
Talvez, a luz no fim do túnel não exista para todos, ou o fim de toda essa escuridão esteja eternamente inalcançável.
Não são todos os dias que tal escuridão simboliza tristeza e dor. Pode ser apenas saudade.
Não a saudade que quase mata, como se faltasse uma parte enormemente significativa de si mesmo;
mas a saudade de algo nunca antes experimentado ou se quer visto.
E mesmo que a luz esteja ausente a esperança insiste; e chega como uma chuva de verão, que intensamente lava tudo, até mesmo as inseguranças. Porém, repentinamente diz adeus; isso quando não se vai sem despedidas.
Fico portanto sem esperança, sem luzes no fim do túnel, e sem você. E essa última ausência se faz desde sempre.
Espero apenas que um dia, mesmo que não haja luz, nem esperança, nem nada, mas se eu tiver a sua presença, eu já estarei feliz.
                                                                                                       19.O5.2O1O

P.s.:  Escrevi esse texto após observar muito uma história que tenho presenciado.
E mesmo que essas palavras tenham vindo e sido escritas por mim, acho que o personagem real dessa história gostaria de dizê-las. Tentei traduzir o que tal personagem parece sentir.

Beijos C=
Carol

4 comentários:

omailsom disse...

Carol... vc escreve com tanto sentimento, q me emociono soh de ler.

Caroline Araújo disse...

wooun *-*
Saudades de você.

omailsom disse...

nãoo mais q eu... Saudade saudade saudade! S2.

André Masoch disse...

Vistes que não pude espressar o que sentia em sua frente, pois poderia vos elogiar até contrange-la e eu não gostaria disso. É de toda forma algo amavel. Tenho de lhe informar que não gostei, eu adorei tanto que posso dizer amar.