sábado, janeiro 15, 2011

A-dor-me-cer.

 
   O feitiço fora lançado sorrateiramente aos sete ventos, os quais sussurram uma melodia ininteligível ao atravessar a porta e transpassar minha vida. Cercara-me e envolvera-me coercitivamente, obrigando-me a acolhê-lo em meus braços frágeis. Enquanto, desastrosamente, a magia mostrou-me a beleza que dormia serena diante da minha presença. No entanto, era eu quem persistira em cerrar fortemente a janela da alma. Eu pude sentir os dedos cálidos e delgados me alcançarem, ao mesmo tempo em que – enlaçando-se rudemente aos meus cachos – arrastaram-me aos solavancos do acalanto do meu sono, e os meus olhos, despedindo-se da escuridão, negaram simpatia ao dia claro. Dia luz.

   O piano, intocavelmente belo e sedutor, transparecera não recordar-se de som ou toque algum. Os dedos que ali tocavam jazem trêmulos e desiludidos nas minhas mãos. As melodias perdidas morreram jovens e me abandonaram sem direito a canções fúnebres. No entanto, a superfície lisa e negra ainda me encanta e hipnotiza a cada novo reflexo reproduzido em sua quietude. Despertara junto a mim, todos os temores que outrora eu domara. Amanheceram lúcidas, junto ao Sol, as minhas tristezas. Convencera-me, a minha própria dor a desistir de domesticá-la?! Esta é vivaz e me induz a sentir saudade do sono que antes entorpecera a mim e a ela – pura morfina. Permaneço, então, acordada... E sem adormecer, eu me encontro a mercê da dor.


 Esse texto pulsou em mim durante uns três dias, então, ai esta ele – vitoriosamente insistente. Sobre outro assunto, eu estou bastante chateada com tudo o que está acontecendo aqui no Rio (Região Serrana). Eu moro na capital, Rio de Janeiro, e não fui afetada em nada, isso é verdade, mas sinto-me muito mal e medíocre por tantas vezes reclamar por coisas mínimas. Saber que nada do que eu faça reverterá toda a dor sempre me matou, e hoje me magoa ainda mais. Pretendo fazer um post sobre tudo isso depois. 
Grande beijo!                                                                                                                                 
Fonte da imagem: deviantart                                                                                                                                                                                                                            

11 comentários:

gabs disse...

Lindas palavras

@juusep disse...

Permanecer acordada pela dor é cruel, muito cruel.

Stella Valim disse...

super lindo o texto.
http://garotasnasruas.blogspot.com/

Danii disse...

Imagino o quão agoniante deve ser ficar a mercê da dor D:
Mas, como dizem: 'tudo passa'. Uma hora o sono vem e o sofrimento passa :D
Bgs :*

Pedro Menuchelli disse...

Você acorda, sem saber se vai poder dormir a noite bem. Eu acho que essa tem sido a situação dos cariocas. Eu não moro no Rio, nunca fui e nem sei direito as localizações dos lugares e tudo mais. Mas, se o seu texto foi com base nisso, creio que conseguiu passar ainda mais a perspectiva a situação REAL das pessoas que estão passando por isso. Chuva é bom quando lava, quando leva a sujeira embora. A partir do momento que o home é prejudicado, isso significa que as atitudes dele tem que mudar. E pra mudar, não é fácil. Texto maravilhoso. Fica um grande beijo!

Caroline Araújo disse...

Pedrinho :)
Confesso que no meu caso é fácil, pois quem mora na Capital está longe demais de todo transtorno causado pelas chuvas. Ou seja, está em total segurança! Mas, pelo o que eu vi nos noticiários, sei que quem mora na Região Serrana tem mesmo a dúvida se amanhã tudo estará bem ou não.
Grande beijo querido.

Felipe Faverani disse...

Oi, Ca, tudo bem?
O texto está maravilhoso, como sempre, te parabenizo por ter lhe dado uma chance depois desses três dias. Era merecida.
Quanto ao Rio também devo dizer que estou muito chateado com tudo o que tem acontecido por aí. Por aqui começaram as arrecadações de roupa, alimentos e produtos de higiene na quarta-feira. Espero que a chuva dê uma trégua pro Rio nas próximas semanas, assim como também espero que a prefeitura e o governo do estado façam algo realmente bom pra tirar todas as pessoas de áreas de risco para que não aconteça futuramente o que aconteceu essa semana aí, né?
Grande beijo pra você, meu anjo.

Deyse Batista disse...

Caroline :) Adorei tuas palavras, ela me acertaram em cheio. É o que eu sempre digo quando vejo algum texto bom por aí: queria eu ter esse dom narrativo.

Beijos.

Gabriela Lauriano disse...

Lindo seu texto Carol,sempre que venho aqui gosto cada vez mais das coisas que vc escreve.
Beijo http://truthsofaheart.blogspot.com/

gabs disse...

Magnifico. Não moro no Rio mas fico muito mal quando vejop a situação que está aí. Imagino o quanto essas pessoas devem estar sofrendo e isso machuca a nossa alma que "não" pode fazer nada demais para ajuda-los.

Emilia Sertorio disse...

Sem dúvida, o que está acontecendo aqui no Rio nos deixa muito triste, eu tenho amigos e parentes que moram na região serrana e me sinto grata por eles não terem sofrido nenhum dano. Mas me sinto triste por todos os outros que já não estão mais entre nós, é muito bom colocar em palavras o que sentimos e fica uma singela homenagem a todos...
beijos